... | translate | to | your | language | ...

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Conta pra mim!



O ser humano gosta de histórias. Eu, tu, eles, nós, vós, eles... todos! Quem nunca se interessou por alguma, que atire a primeira pedra! Temos os mais variados contos, gostos e formas das mais criativas e ortodoxas possíveis. Nós necessitamos disso. Na escola, o que aprendemos é algo que ja foi feito, [virou história] documentado e depois passado à nós. Paralelo a isso, temos as revistinhas em quadrinhos, as leituras obrigatórias para as provas de vestibular, os desenhos animados que nos entreteram na infância, as novelas, os seriados, os jornais, enfim, uma gama de opções para vivenciar e/ou aprender com tudo isso.

Nós, brasileiros, somos viciado em novela(s). Confesso que em determinadas histórias eu também acabo acompanhando - confesso. Já nos livros, utilizamos da nossa imaginação, seja lá qual for o tema, para participarmos dessa viagem. Quando li "O Senhor dos Anéis", viajei num mundo fantástico, onde pude tanto me emocionar, quanto filtrar diversos ensinamentos que a história me mostrou, como o valor de uma amizade leal. Nos filmes, alguns deles nos fazem rever algumas atitudes, pensamentos, visões diferenciadas de situações corriqueiras ou ficcionais. Outros apenas nos entretem para passar o tempo. Mas sempre deixam alguma mensagem. Sem esquecer dos teatros, circos, festas... cada lugar tem algo a nos contar, a nos fazer pensar.

No mundo virtual é onde mais encontramos histórias. Desde a notícia divulgada até o diário pessoal de algum blogueiro mais sensível. Necessitamos de saber das coisas. É uma forma de conhecimento. Intelectual ou não, há sempre algo de bom para se descobrir.

Mas isso não significa que eu sou apenas um mero expectador do que me é oferecido. Veja por outro prisma: você, seus melhores amigos, sua família... todos temos uma história. Todos passamos por dificuldades, momentos marcantes, felizes, dias memoráveis que gostamos de lembrar. E o que é melhor, necessitamos compartilhar isso. Por vaidade? Talvez... mas encare como experiência, uma vez que sua história pode inspirar pessoas próximas de você a perceberem melhor algumas nuances delas mesmas.

Esse fascínio que nos faz ser curiosos é um motor que está em funcionamento desde que nascemos.
Resumidas, extensas, tímidas ou exageradas... sempre há uma história a ser vivenciada, presenciada, ouvida ou dividida. O tempo passa muito depressa... Como disse Lulu Santos: "Hoje to tempo voa, amor. Escorre pelas mãos mesmo sem se sentir. E não há tempo que volte, amor. Vamos viver tudo o que há pra viver. Vamos nos permitir". Então viva... pra ter uma história pra contar e compartilhar.

.

.

.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

EgoTrip



Minha mente viaja para onde quer que eu queira. E também pra onde eu não quero. Quisera materializar alguns desses devaneios... Ela as vezes me leva para um infinito de possibilidades, freadas por certas inseguranças e incertezas. Nos sonhos eu me transporto ivoluntariamente para situações corriqueiras, algumas um tanto absurdas e, em outras vezes, para alguns desejos escondidos em lugares que eu ainda não descobri. Minha mente lembra de momentos bons, passados distantes que não voltam, mas que estão lá para boas risadas e emoções. Os momentos tristes também estão lá e infelizmente não posso apagá-los. No entanto, procuro não pensar neles. Minha mente me leva para o presente. Este presente, onde tento desvendar esse turbilhão de coisas que acontecem ao mesmo tempo comigo. Viver é fácil, nós que complicamos. Minha mente me leva ao futuro, onde desejo ser uma pessoa melhor do que sou hoje. Pelo menos vou tentando ser.


Ainda quero sonhar muito...


.

.

.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Aquarela



Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo
E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo...

Corro o lápis em torno da mão e me dou uma luva
E se faço chover, com dois riscos tenho um guarda-chuva...

Se um pinguinho de tinta cai num pedacinho azul do papel
Num instante imagino uma linda gaivota a voar no céu...

Vai voando, contornando a imensa curva norte e sul
Vou com ela viajando: Havaí, Pequim ou Istambul
Pinto um barco a vela branco navegando
É tanto céu e mar num beijo azul...

Entre as nuvens vem surgindo um lindo avião rosa e grená
Tudo em volta colorindo com suas luzes a piscar...

Basta imaginar e ele está partindo, sereno e lindo
Se a gente quiser ele vai pousar...

Numa folha qualquer eu desenho um navio de partida
Com alguns bons amigos, bebendo de bem com a vida...

De uma América a outra eu consigo passar num segundo
Giro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo...

Um menino caminha e caminhando chega no muro
E ali logo em frente a esperar pela gente
O futuro está...

E o futuro é uma astronave que tentamos pilotar
Não tem tempo, nem piedade, nem tem hora de chegar
Sem pedir licença muda a nossa vida
E depois convida a rir ou chorar...

Nessa estrada não nos cabe conhecer ou ver o que virá
O fim dela ninguém sabe bem ao certo onde vai dar
Vamos todos numa linda passarela de uma aquarela
Que um dia enfim descolorirá...

Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo
(Que descolorirá!)
E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo
(Que descolorirá!)
Giro um simples compasso, num círculo eu faço o mundo
(Que descolorirá!)...



Composição: Toquinho / Vinicius de Moraes / G.Morra / M.Fabrizio
+++
clique aqui para o download da música

.

.

.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

ser ou não ser ou ser

Em conversa com um amigo, discutimos como as pessoas se comportam em determinadas ocasiões, lugares, circunstâncias. Acho digno dizer "sou assim e meu comportamento é o mesmo em qualquer lugar".

Mas vejamos...

Mudar de comportamento não significa necessariemente colocar uma máscara. Não significa falsidade, neste caso. Há quem tenha 2, 3 ou mais máscaras para se adequar em determinados lugares. Porém há quem goste de viver um pesonagem a cada lugar que passa. Outros não são assim. Eu, por exemplo não posso [e nem quero] ser 100% do que sou no meu local de trabalho, pois preciso manter uma postura mais séria e profissional, sem deixar de ser simpático e cordial. Mas não posso dar brecha para que minha vida pessoal seja discutida em público - não gosto disso. Assim como numa roda de amigos não quero ficar falando dos problemas profissionais, até porque eles ficaram em cima da minha mesa, para serem resovidos quando eu retornar no dia seguinte. Também há situações diversas, como: um colega começa a pregar a religião dele, sabendo que tenho meus pontos de vistas definidos sobre isso, muitas vezes contrários. É muito prolixo entrar num assunto desses - não só de crenças, mas no geral da invasão e da discrição. Não quer dizer que eu use máscaras, mas eu tento me adequar a cada ambiente de uma forma coesa. Sei que é melhor pra mim e isso não significa que eu seja falso ou mascarado. Muito pelo contrário. Adequar é uma coisa, mascarar é outra.

Tudo vai da criação, do meio que você cresceu, da escola, dos colegas que conviveram com você. O que você filtrou de bom e de ruim, o que você adquiriu, assimilou e acabou levando para a sua vida te faz ser o que é hoje. O quanto você influenciou, o quanto você foi influenciado. Todo o meio em que você vive/viveu [família, escola, vizinhos] tem a ver com a personalidade que você tem hoje.

Bom, o que quero dar a enteder é que podemos ser nós mesmos [da melhor forma e mais honesta] em qualquer lugar, e que podemos agir de acordo com o que achamos ser conveniente e/ou necessário. Em suma, sua essência vai ser sempre a mesma e, por mais que só queira viver atrás de uma máscara, não vai conseguir ser/agir/ficar assim 24 horas por dia. Uma hora você vai deixar escapar alguma coisa.

Nem toda pessoa é 100% boa, nem 100% ruim.

Ser você mesmo requer uma boa dose de inteligência, maturidade e força, mesmo sendo o mais simples possível e as vezes aparentemente frágil.



É só!

.


.


.

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Voltando...



De volta pra vida, de volta pra senzala [trabalho]... e de volta para o mundo virtual.
Sabe... esses dias de folga me fizeram ficar mais pensativo do que o normal [!]. Precisei rever alguns valores e me tornar menos intolerante, uma vez que isso não é tão fácil assim.




Vamos às letras...


Tenho lido alguns blogs Brasil afora... alguns camaradas, atrativos, outros desconhecidos para mim. E tenho visto um pouco de impaciência. Não digo de irritação corriqueira, mas de indiganção por parte de tudo o que nos rodeia, sejam amigos, familiares, trabalho, governo, sociedade em si, enfim... muitas coisas que nos atrapalham a vida por não aceitamos tais situações.

Vejo também que os blogs estão crescendo para todos os lados. Muitos deles com conteúdos interesantíssimos, alguns informativos, outros divertidos, outros bem pessoais, sem falar nos que criam um personagem para não se exporem tanto. Eu tinha medo disso quando criei esse blog, mas hoje vejo que "se expressar" na blogosfera tornou-se comum e, caso alguém venha a tentar me fazer mal aqui, vai perder seu tempo, pois acredito muito na lei da ação e reação [se bem e a reação é como a justiça, ou seja, acaba tardando um pouco].

Detalhe: muitos blogs tornaram-se referência em informação, pois acabaram sendo mais inteligentes, rápidos e muito mais criativos que muitos jornais por aí.

Me considero um louco sociável, pois se não me enquadrasse direitinho não teria bons amigos reais e virtuais - os blogs que me acolheram, etc... Mas não é de mim que quero falar. Voltando às leituras, vejo sites onde paira o bom senso conveniente que agrada a gregos e troianos - o certinho que enjoa. Vejo outros que enfrentam o medo expondo-se de cara limpa ou expondo o seu pseudo-personagem para criarem debates e saudáveis discussões, que seja. Vejo belos poemas, belas fotos, o cotidiano, também vejo vez ou outra algum fantástico mundo de bob por aí! rsrsrs... ok ok... é bom sair da rotina as vezes. Mas sem sair do bom senso!

Não vou colocar dicas de sites, nem de livros. O gosto em si é muito pessoal, muito peculiar. Só sugiro que você leia, desde gibis da Turma da Mônica, passando pelos jornais de circulação nacional, até uma boa tarde numa livraria folheando, lendo orelhas de livros que podem tornar-se uma futura e bem vinda aquisição. Atualize-se. Não falo só de saber o que acontece no momento. Falo de leitura geral. Tem muita coisa interessante tanto no presente, quanto no passado da humanindade. Sexo, comportamento, história, tecnologia... é só escolher.

Uma pessoa inteligente é sempre bem vinda - todos sabem disso.
Se não gosta de escrever, leia pelo menos.
Leitura, informação: o mundo ta aqui na sua frente, seja no monitor do seu pc/notebook, na livraria mais próxima, na banca de revista...


Até a próxima leitura!



[]'s

.

.

.

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Pausa




Pausa para um descanso merecido.
Só alguns dias.
Em breve esterei de volta!

[]'s

.

.

.

Informativo de dados

Este blog possui atualmente:
Comentários em Artigos!
Widget UsuárioCompulsivo

_______________Terra e Lua